Banca de QUALIFICAÇÃO: FABRÍCIO BARROS DE SOUSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FABRÍCIO BARROS DE SOUSA
DATA: 12/03/2014
HORA: 10:00
LOCAL: Sala da Pós-Graduação da UFRA Campus Belém
TÍTULO:

Aspectos da reprodução induzida do acari-zebra Hypancistrus zebra Isbrücker e Nijssen, 1991 (Siluriformes, Loricariidae) em condições de laboratório


PALAVRAS-CHAVES:

Reprodução; Acari zebra; peixe ornamental


PÁGINAS: 24
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca
RESUMO:

O Estado do Pará é o principal exportador de espécies de peixes da família Loricariidae, popularmente chamados de “acaris, bodós ou cascudos” e mundialmente conhecidos pelo “código L”, cuja popularidade e valores de mercado estão aumentando entre os aquariofilistas desde a década de 1980, quando as primeiras espécies foram encontradas nos Rios Xingu e Tocantins. Hypancistrus zebra é uma importante espécie de peixe ornamental pertencente à Loricariidae e é capturada no Estado do Pará e atualmente está ameaçada de extinção devido as construções de projetos hidrelétricos na região do rio Xingu. Apesar de H. zebra ser protegida pela instrução normativa (MMA) nº 05/2004), está sendo coletada e comercializada ilegalmente, dentro e fora do país. Sendo assim, é necessário que técnicas de cultivo em cativeiro de H. zebra sejam elaboradas, permitindo assim a redução da pressão da pesca e o tráfico. Contudo, o pacote tecnológico para cultivo desses animais em cativeiro ainda não é dominado no Brasil. Neste contexto, este trabalho pretende estudar os aspectos da reprodução induzida do acari-zebra em condições de laboratório. Os peixes serão adquiridos em ambiente natural, transportados e aclimatados em laboratório. Após o período de aclimatação, os peixes serão separados em grupos reprodutivos formados por 4 fêmeas e 1 macho por aquário de reprodução. Será administrada em cada exemplar de H. zebra uma solução hormonal com acetato de buserelina, aplicada em dose única e com observações de comportamento de corte e desova por um período de 1 semana. Ocorrida à desova, os ovos serão quantificados e o desenvolvimento embrionário e larval serão registrados em filmagens e fotografias. Assim, espera-se que dados primários em relação à reprodução em cativeiro dessa importante espécie de peixe ornamental sejam gerados, possibilitando que futuramente um pacote tecnológico seja elaborado e que contribua para o desenvolvimento da aquicultura ornamental no Estado do Pará.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 038.268.052-91 - RAIMUNDO ADERSON LOBAO DE SOUZA - UFRA
Externo ao Programa - 388411 - CARLOS AUGUSTO CORDEIRO COSTA
Externo ao Programa - 388443 - JOSE LUIZ MORAES
Notícia cadastrada em: 07/05/2014 11:03
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação e Comunicação - (91) 3210-5208 | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa2.sigaa2